Promotor de Justiça pede proibição na venda de Airsoft

6
8300
Promotor quer proibir Airsoft
Promotor quer proibir Airsoft

Primeiramente gostaria de agradecer o desserviço do Sr. Leonardo Lara Jornalista da Rede Record Rio de Janeiro que aborda o Airsoft LEVIANAMENTE.

Usaram praticantes e equipamentos de um esporte que preza HONRA, LEALDADE e HONESTIDADE atitudes cada vez mais rara em nosso país, para assustar a população e nos comparar a bandidos. O mesmo discurso do desarmamento, que as armas vão parar nas ruas e são usadas para assaltos, a culpa não é do praticante de Airsoft e sim do contrabandista que trás do Paraguay, do Policial Corrupto que pega caixinha do contrabandista, do Agente da Receita que recebe mesada para passar contrabando na fronteira, de jornalistas que fazem vistas grossas onde isso acontece e não denunciam.

Sua matéria alem de mentirosa sobre o esporte é LEVIANA, temos muitos atos bons feitos por OPERADORES de AIRSOFT, Operações que arrecadam mais de 1 ton de alimentos por estado, operações que arrecadam dinheiro para crianças fazerem cirurgias, ajudam amigos em dificuldades, escolas, creches, asilos, etc. Mas não vi um segundo falando bem do esporte somente ARMA e CRIME, bom né, isso vende, da ibope.

Mas e as empresas como ActionX, Taitus, ProHunters, QGAirsoft, Casamata, Camuflagem, NTK, AirsoftArmy, Gmtático, Rafele, HonorCode, Airstep e muitas outras que geram empregos oriundos do Comércio Legal de Airsoft que movimenta milhões todos anos no país? Isso pouco importa né, o importante é a audiência, jogar a população contra, mesmo sem estar informado de que já existe um controle sobre esse produto.

Importador e Lojista

A) Para importar Airsoft as empresas precisam se registrar no Exército Brasileiro,
B) Emitir a cada carga um documento chamado CII
C) São vistoriadas constantemente pelo DFPC do Exército
D) Devem manter registro de para quem e quando venderam os equipamentos,
E) Equipamentos tem número de série do fabricante que deve ir na nota-fiscal
F) Lojista deve ter Registro no Exército para Vender Airsoft

Operador

A) Ser maior de 18 anos
B) Enviar copia de comprovante de endereço e identidade ao lojista
C) Andar com ela sempre no porta malas sem bateria ou gas, sem munição, em estojo próprio, igual arma de verdade.
D) Andar sempre com nota fiscal para elétricas e CR para equipamentos GBB

CR – Certificado de Registro.

É um documento emitido pela DFPC do Exército que cada operador que pretender ter equipamentos GBB (gás), mesmo não podendo apostilar a arma, deve tirar o Certificado para compra-la, porta-la e usar em jogos. A rigidez é a mesma para se tirar um de arma de fogo e chega a demorar 8x mais, o tempo, para emissão que o de um CR para tiro Esportivo Arma de Fogo.

Mas Sr. Leonardo Lara, sua leviandade e de sua emissora, não precisava de câmera escondida para comprar com ID e CPF uma AEG ou AEP, é o que a portaria do Exército Brasileiro pede.

Agora mostrar que 12 armas foram parar no crime em um universo de MILHARES de praticantes no Brasil é o mesmo que começarmos a queimar carros porque milhares de carros atropelam e matam pessoas nas ruas todos os anos no Brasil. Então vamos proibir os carros, ônibus coletivos atropelam pessoas que vão a óbito todos os dias no Brasil, vamos proibir os ônibus e muitas outras coisas. O Senhor é um infeliz em sua profissão que precisa denegrir um esporte sim reconhecido e controlado pelo EXÉRCITO BRASILEIRO, onde milhares de Brasileiros praticam e propagam Amizade, Lealdade, Honra, Honestidade, Companheirismo, Respeito mútuo, inclusão das mulheres como igual no esporte.

Mas em nosso país o certo não é beneficiar milhares e sim puni-los pela atitude de uma dúzia de pessoas.

 

6 COMENTÁRIOS

  1. Airsoft = Whatsapp. Penalizaram uma população inteira pra atender aos caprichos de um juiz em um recanto remoto do país. Agora querem penalizar os milhares de praticantes de um esporte por causa de outra pessoa que quer se enaltecer sem realmente se importar com a causa dos problemas. Raul Seixas estava certo, a solução é “alugar o Brasil”.

  2. Bom dia Francisco, achei esclarecedor a sua exposição quanto a proibição, como proprietário da Pro Hunters vou deixar aqui registrado também a minha indignação quanto a proibição e também te dar um relato do que venho observando neste mercado. Nos últimos 12 meses as vendas dos importadores de airsoft caíram significativamente, acima de 50%, nada disso é reflexo apenas da crise financeira que tomou o Brasil nos últimos tempos, mas sim do crescente contrabando que vem sendo praticado. Certamente, o contrabando gera desemprego, redução de arrecadação de impostos, uma concorrência brutalmente desleal com os importadores regulares e uma série e outros problemas causados por este crime. A descarada venda de material contrabandeado está em um volume assustador, basta uma pesquisa pelo Google para encontrar lojas em todo o país com preços que denunciam a origem do material, instaurou-se a certeza da impunidade. O próprio lojista nem se dá o trabalho de colocar um preço compatível com os custos de importação legal.

    Quando começamos a importar airsoft tomamos o cuidado de ter exatamente o mesmo controle que temos na importação de armas de fogo, numerando todas elas e marcando com a sigla da empresa, assim qualquer ocorrência policial envolvendo uma Airsoft da marca ARES seria rastreável e identificaríamos para onde foi vendido. Infelizmente isso não é uma prática comum.

    Se quiser comprovar o que estou falando, tome como exemplo airsofts somente da marca ARES, basta você entrar nas lojas de venda de airsoft onde o preço ofertado estiver muito abaixo das demais lojas, pegar uma AEG e você vai facilmente identificar se foi importada legal ou não. São poucas as marcas que tem um representante exclusivo para o Brasil, a ARES é uma delas. Então consigo te afirmar sem medo de errar.

    Sabe de quem é a culpa disso?
    Grande parte da culpa desta ação do Juiz é de responsabilidade dos próprios operadores de airsoft que aceitam jogadores participarem de eventos sem nota fiscal de origem, que compram airsoft contrabandeada e do lojista que compra e vende contrabando a preço de banana. E todos tem uma boa justificativa, de que a culpa é dos altos impostos que pagamos, se fosse mais barato não teria contrabando. Alegação covarde e falta de caráter de quem a profere! Estes mesmos “caras” criticam a corrupção do governo, mas não olham para o próprio nariz.
    Acredito piamente que o Airsoft merece ser repensado no Brasil e merece um maior controle sim. Infelizmente em um país onde os VALORES estão fora de moda esse caminho é inevitável.
    Peço que não se ofenda com os meus comentários, mas infelizmente resta muito pouco de HONRA, LEALDADE e HONESTIDADE neste esporte, o próprio esporte se deixou banalizar. Em muitas situações o erro de poucos é pago pela maioria.
    Abraços

    • João nunca me ofenderei com palavras como essa, realmente o Airsoft tem de ser repensado no Brasil, posso falar pelo estado em que vivo, aqui em jogo ou operações ninguém joga com GBB sem CR ou equipamento sem nota, talvez o Rio Grande do Sul seja uma exceção ? Talvez sim, mas ainda acreditamos nos pilares do esporte e acredito sim que quanto mais controle no comprador mais incentivo na aquisição via meios escusos, quanto mais fácil para o CONSUMIDOR FINAL adquirir menos contrabando. Mas esse processo vem de Facilitar a Importação, Redução da carga Tributária, Descriminalização do Equipamento, Rapidez na liberação de importação legal, rapidez na liberação de documentação.
      Infelizmente em nosso país é mais fácil proibir que fiscalizar, 12 roubos com armas de brinquedos são suficiente para punir quem ? O OPERADOR, porque o bandido mais uma vez como sempre dizemos NÃO VAI NA LOJA COMPRAR, para ele se ela tem ponta laranja ou é toda laranja ele PINTA. Então vamos proibir de vender tinta no brasil (aqui sim com b minusculo que não merece o B maiúsculo nessa hora) mas não, em nossa maneira lusitana de resolver as coisas proíba-se, pinte com 10 faixas rosas e 234 amarelas com inclinação de 12,98 graus cada uma a uma distância de 0,023 cm um das outras na perpendicular alinhada ao percursor do farol da liberdade, desde que o pintor esteja tomando tang morango com água mineral da fonte ijuí do lote 33.
      Devemos sim imitar os estados unidos onde crianças compram AEG/AEP no supermercado para brincar, que qualquer Wallmart, KeyMart da esquina tem equipamento de airsoft, onde um pai pode no final de semana levar seu filho para jogar airsoft, onde o cidadão sabe que se apontar para um policial será baleado e nada poderá lhe trazer a vida de volta. Acho que estamos tão acostumados a sermos tutelados pelo estado que perdemos realmente a mão da história, mas realmente temos que imitar os americanos em tudo nesse esporte, inclusive em se associar a Associações, seguir suas regras, os campos seguirem as regras de associações e também as penalizações, nos USA um operador banido dos campos é banido mesmo, só joga no quintal de casa ou na sua fazenda e sozinho.
      Mas vivemos em um país que se cria dificuldades para se vender facilidades, realmente temos e merecemos repensar o esporte.
      Um Grande abraço e nosso muito obrigado pela existência da Pró-Hunters, por investir no esporte e mesmo sob todas essas dificuldades nos trazer produtos de qualidade.

  3. Esse cara infelizmente e um idiota..que quer proibir um esporte… pq entao não coloca mais policia nas ruas….reclama do nosso esporte por causa de bandidos…. poe policia… simples assim… isso dai ele nao é a favor pq aposto q anda de carro blindado e com seguranças…. ara idiota

DEIXE UMA RESPOSTA

Informe o Código para Comentar *