Guia de Sniper – Parte I: A Origem dos Snipers

1
4489

Depois de diversas pesquisas, horas assistindo filmes, noites jogando videogame, lendo sobre os mais diversos grupos e forças especiais (até manual da KGB com o Google Translator), gostaria de falar sobre um assunto que mexe com o imaginário dos novatos e também se tornou a prática de muitos operadores experientes: ser um Sniper de Airsoft!

Bem, eu não sou nenhum Tom Beckett (O Atirador, 1993) ou Bob Lee Swagger (Atirador,2007) da ficção e muito menos a versão tupiniquim do jovem Novritsch. Sou um pai de família que viu nesse esporte uma chance de fugir do sedentarismo e principalmente da televisão aos domingos.

O propósito principal desse bate papo será de informar, ajudar e aconselhar e saber das experiências de cada um, tanto dos novatos que buscam esse posto na equipe, como dos atiradores de elite que já desempenham essa função há mais tempo.

Todas as idéias e técnicas foram debatidas e simplificadas ao máximo, a fim de uma boa compreensão e leitura de todos. Não será um guia de técnicas avançadas, embora ele tente cobrir todas as áreas úteis de uma forma explicita e com alguma profundidade.

Espero que este guia seja útil e que acrescente de alguma forma na sua atuação como Sniper de Airsoft.

A palavra Sniper

Para entendermos o pensamento e forma de atuação de um sniper, temos primeiro de conhecer o passado e perceber de que forma surgiram, como atuavam e o real significado da palavra “Sniper”. Da mesma forma, qualquer Sniper que se preze, tem de conhecer a história que derivou esta forma especifica de atuar, seja ele um Sniper militar, seja um jogador de Airsoft.

A primeira vez que a palavra foi usada, no sentido de chamar um atirador escondido, foi em 1824. A palavra teve origem em 1770 pelos soldados Britânicos na India, e era usado para descrever a caça a um pássaro extremamente difícil de apanhar chamado “snipe”. O snipe é um pássaro que se camufla muito bem no seu meio, e com uma audição muito aguçada. É muito difícil pegar um desprevenido, ou sequer de conseguir vê-lo. O seu padrão de vôo irregular torna praticamente impossível de acertá-lo no ar, sendo que a única maneira concreta de o fazer é pela arte e perícia do atirador que utiliza técnicas de camuflagem, observação, aproximação e tiro de precisão. Aqueles que conseguiam o prodígio eram chamados de Snipers.

Os primeiros snipers da história, no sentido militar da palavra, apareceram na Segunda Guerra Boer, na África. Eram chamados de “Lovat Scouts”, do Regimento de Escoceses das Terras Altas (Scotish Highlanders Regiment). A unidade foi criada por Lord Lovat e em diversas vezes eram chamados de “half wolf and half jackrabbit.” (metade lobo e metade lebre). Foi esta unidade que inventou o Ghillie Suit (roupa de camuflagem). Não eram conhecidos por efetuar disparos essencialmente longos, mas sim pela qualidade de se infiltrarem em qualquer terreno para conseguir o tiro desejado. A sua principal tarefa era a de reconhecimento do terreno, e não a de combater o inimigo.

Anos depois, os soviéticos, durante a Segunda Guerra Mundial, evoluíram mais uma vez a técnica de sniper, especificamente durante a Batalha de Estalingrado. Foi ali que aconteceram os últimos retoques a arte sniper, principalmente em áreas urbanizadas. Pouca coisa da essência desta arte mudou, depois destes dois acontecimentos históricos.

Hoje em dia, devido às inúmeras variações de terreno que ocorrem durante as operações, os snipers recorrem mais a tiros de longa distância do que a técnicas de camuflagem mais elaboradas, para efetuar o disparo. Mas não é regra, dependendo sempre do terreno onde ele atua.

Por Samuca Neto
Fonte: Sniper Manual, for Airsoft applications, Portugal, 2011, Bowman.  

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Informe o Código para Comentar *